Trabalhadores voltam a sofrer com o período de chuvas em Maceió


Todo ano é assim. O período de chuva começa e o caos se instala em Maceió. Na área lagunar, sofremos com o transbordamento que chega a ilhar os trabalhadores. Onde há córregos e riachos o alagamento é geral. E onde não há lagoa ou córregos, o povo sofre com imensas poças d'água. Nas áreas mais pobres da cidade a situação ainda é pior, pois a falta de pavimentação faz das ruas um lamaçal, a inundação de suas casas é quase certa e o medo de desabamento é constante.

Não há um trabalhador que não reclame dessas situações: logo de manhã pegar um ônibus lotado, extremamente abafado devido às janelas fechadas; ficar preso por horas no engarrafamento devido aos alagamentos e ainda chegar atrasado ao trabalho com o sapato encharcado. O que era difícil ficou ainda pior para a classe trabalhadora alagoana.

A classe trabalhadora precisa ser respeitada. Não merecemos passar por tais situações como essas por conta das chuvas. A prefeitura de Maceió deve imediatamente realizar obras de escoamento das águas em todos os pontos da cidade que sofrem com o problema de alagamento. Deve ainda pavimentar as ruas dos bairros mais pobres, que em sua maioria são de barro. Além do fato de ter que garantir moradia segura para todos.

O fantasma das enchentes
É inevitável relembrar das enchentes dos últimos anos no interior do estado, em especial a de 2010, que deixou mais de 50 mil desabrigados, 27 mortos e destruiu completamente toda a cidade de Branquinha. Passaram-se 3 anos e apenas 6 mil casas foram entregues, de um total de 17.747. No dia 03 de abril, famílias de Santana de Mundaú protestaram na AL-235, pois nenhuma de suas casas havia sido entregue. Das obras de contenção dos rios e encostas que provocaram as enchentes nenhuma foi concluída.

O descaso dos governos está mais do que claro. Vai desde o Governo Federal, que não se empenha em realizar grandes obras para evitar desabamentos como no Rio de Janeiro, ou enchentes como em Alagoas; passando pelo governo estadual, que atrasada obras e não garante uma moradia digna para a maioria da população.

Um grande plano de obras públicas é a solução para as chuvas
Os governos e os grandes meios de comunicação sempre culpam 'a natureza' e os trabalhadores (que jogam lixo na rua) para justificar as calamidades e problemas causados pelas chuvas. Mas nunca apontam o verdadeiro causador do problema, que é a incapacidade dos governantes.

O PSTU defende a realização de um grande plano de obras públicas para acabar de vez com as mazelas trazidas todo ano pelas chuvas.

Paulo Bob - Presidente Estadual do PSTU Alagoas

2 comentários:

  1. veja caro amigo paulo , fica meio difícil se aprofundar nesses problemas com um novo comando na prefeitura, porque veja bem, se era para pavimentar as ruas eles faziam a tal operação "tapa buracos", o que não resolvia de nada, mais é preciso levar em consideração uma ipotese, se por um acaso o nosso novo prefeito realize obras de escoamento onde vai parar tudo isso? Riacho Salgadinho! e onde eles despejam o salgadinho? em nossa riqueza do turismo, as praias. então, temos varias perguntas dentro dessa: o que fazer? o que sacrificar? ha realmente uma solução que possa evitar a destruição de nossas praias e o bem-estar de nossos trabalhadores?

    ResponderExcluir
  2. Mateus é preciso discutir no projeto de obras públicas a melhor forma de retirarmos do "sanitário-Salgadinho" o local fim do escoamento. É preciso termos locais que tratem das águas e isso só poderá ser feito com o debate e a participação popular.

    O atual plano beneficiar as áreas de luxo da capital alagoana, deixando para as periferias os dejetos e os "problemas" coma natureza.

    ResponderExcluir