É preciso intensificar as mobilizações para que as palavras se tornem ações

Da redação do PSTU/AL

Esta quinta-feira (01) foi mais um dia de luta nas ruas de Maceió. A Frente pelo Passe Livre e os moradores da Ocupação Santa Lúcia tomaram as ruas da capital alagoana e ocuparam a Câmara de Vereadores de Maceió. Tratou-se de um ato de solidariedade a Ocupação e de exigência aos governos. A CSP-Conlutas, a ANEL e a nova gestão do DCE-UFAL também estavam presentes, junto com outros movimentos, estreitando a aliança entre trabalhadores sem teto e estudantes.

De volta das férias, os vereadores foram obrigados a colocar em pauta os temas apresentados pelo movimento: 1. Discussão sobre o projeto de lei do passe-livre; 2. Posicionamento em relação a redução imediata da tarifa do transporte público em Maceió (de R$ 2,30 para R$ 2,10); 3. Posicionamento favorável e defesa dos moradores do terreno da Santa Lúcia, que estão ocupando o antigo prédio do INSS e do IBGE, no Centro da capital.

A sessão na Câmara foi tocada no compasso da pauta do movimento. "Viemos dispostos para buscar o nosso direito e queremos que os vereadores coloquem na ordem do dia a apreciação do projeto 'Passe Livre' para garantir gratuidade nas passagens para estudantes” declarou Luciane Araújo, representante da Assembleia Nacional de Estudantes - Livre (Anel).

A defesa da luta e a necessidade de moradias de qualidade também foram a tônica nas falas, não só dos moradores da Santa Lúcia, como também dos estudantes presentes. “Queremos cercar a ocupação da Santa Lúcia de solidariedade, assim como queremos que os vereadores se coloquem contrários à desapropriação dos prédios onde esses trabalhadores estão, e que eles saiam apenas para ocupar uma casa”, afirmou Laís Cavalcante, representante da nova gestão do DCE-UFAL.

“A câmara dos vereadores, diferente das outras vezes, está pintada de povo. Queremos ressaltar que quem ocupa este plenário são os moradores da Santa Lúcia, os estudantes e a juventude negra. Queremos que os deputados ocupem a tribuna apenas para defender os moradores, caso contrário não ousem pedir a fala. E não queremos enganação, queremos os vereadores ao lado dos moradores da Santa Lúcia para enfrentar a desocupação”, destacou Hitallo Viana, militante do PSTU, se solidarizando com os estudantes e moradores da Santa Lúcia.

Ao fim da plenária foi a vez dos vereadores falarem. Foi encaminhada uma proposta da Câmara: os vereadores formaram uma comissão, que vai aos prédios ocupados pelos trabalhadores e que vai negociar com o Gerenciamento de Crise da Polícia Militar a permanência das famílias que ocupam o local, até que seja encontrada uma solução para as famílias. É preciso intensificar as mobilizações para que as palavras se tornem ações.

No dia 06 de julho haverá uma sessão para discutir o projeto de Passe Livre Maceió, que ainda no mês de agosto será votado em plenário. Devemos ocupar a Câmara e tomar as ruas para que o passe livre seja aprovado. Não ficaremos reféns das palavras, queremos que elas aconteçam, para tanto devemos usar a pressão do movimento.

Ao sair da Câmara, foi realizada uma plenária no prédio onde os moradores da Santa Lúcia estão. A partir de agora a ocupação também contará com a presença permanente dos que se solidarizam a ela.
Nós do PSTU nos solidarizamos com os moradores da Santa Lúcia e iremos nos colocar na construção de uma grande barricada em defesa destes moradores.

A luta dos moradores da Santa Lúcia, assim como as manifestações da Frente pelo Passe Livre Maceió, são exemplos das mobilizações que sacodem Maceió desde o mês de junho. Temos que intensificar essas lutas e nos inserir no novo dia de paralisação nacional, que está sendo chamado para o dia 30 de agosto. Temos que fazer parte da jornada para mudar o país e atender as necessidades dos trabalhadores, colocando a pauta dos moradores da Santa Lúcia e da redução da passagem em Maceió e do Passe livre.



Nenhum comentário:

Postar um comentário