Mais escândalos na ALE-AL

Comunicação PSTU/AL

Na última quinta-feira (31), a Justiça afastou todos os integrantes da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE). Decisão acontece depois que houve denuncia de irregularidades na movimentação bancária da ALE. As denuncias foram feitas pelo deputado estadual João Henrique Caldas (JHC), filho do ex-deputado federal João Caldas, que foi denunciado pelo desvio de recursos do Orçamento da União destinados à aquisição de ambulâncias e equipamentos hospitalares, através de licitações fraudadas (Operação Sangue-sunga).


Com isso, uma nova eleição deverá acontecer para escolha dos novos representantes da Mesa Diretora da Casa de Tavares Bastos, e os parlamentares afastados não poderão participar do processo eleitoral – sendo candidatos ou votando durante o processo.

Sabemos que com a saída destes membros e com a eleição de uma nova Mesa, a situação da ALE não irá mudar. No próximo dia 06 de dezembro, a Operação Taturana completará 06 anos. Deflagrada pela Polícia Federal (PF), a operação tinha como objetivo desmontar uma organização criminosa instalada na Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas, acusada de fraudes no Imposto de Renda. A organização chegou a fraudar, aproximadamente, R$ 200 milhões em cinco anos. Passados quase 06 anos deste escândalo, os mesmo partidos estão envolvidos.

O que nós do PSTU defendemos é uma Assembleia controlada pelos trabalhadores. Nem o PSDB dos usineiros, nem o PT de Dilma, Renan e Collor!

As principais funções dos deputados estaduais são fiscalizar os atos do Executivo (governador) e propor leis do interesse da sociedade. Mas a Assembleia Legislativa de Alagoas não segue nenhuma dessas funções.

A ALE-AL é um verdadeiro balcão de negócios de usineiros, empresários corruptos e corruptores. Sua democracia é a democracia dos ricos e poderosos, onde se nega as necessidades e a entrada dos trabalhadores e povo pobre. A população está farta desses políticos que engordam com a corrupção e exibem apenas seus paletós e barrigas avantajadas, bastante avantajadas por sinal.

Defendemos a abertura do sigilo bancário dos parlamentares, funcionários e corruptores envolvidos nos casos de corrupção, assim como a prisão e o confisco dos bens dos corruptos e corruptores.

Também defendemos que os trabalhadores possam eleger seus representantes com mandatos revogáveis a qualquer momento. Os representantes eleitos devem receber o mesmo salário de um professor, não mudando o nível de vida que tinham antes.

É preciso ir às ruas para exigir a punição e prisão de corruptos e corruptores e a devolução de todo o dinheiro roubado aos cofres públicos!

Mas para acabar realmente com a corrupção, é preciso romper com a democracia dos ricos, acabar com o capitalismo e construir uma sociedade socialista, onde não são as grandes empresas que controlam o país, mas os trabalhadores.

Notícia relacionada: http://migre.me/gxq2c

Nenhum comentário:

Postar um comentário