É preciso fortalecer as mobilizações dos aprovados no concurso da SEE/AL

Rodrigo Aragão e Francisco Alberto

A educação em Alagoas sempre esteve na dianteira dos problemas sociais; situação que vem sendo aprofundada pelos oito anos de (des)governo do PSDB. O concurso público tão aguardado durante todo o governo de Teotonio Vilela Filho (PSDB) só foi realizado em seu último ano de mandato.

Porém, ao invés de convocarem imediatamente esses aprovados em uma prova que exigiu atenção e foi minimamente complexa (o sistema foi o da CESPE/UNB), a Secretaria de Educação do Estado divulgou publicamente a contratação de novos monitores, por via da análise de títulos, no último dia 13 (o último dia da seleção foi na quarta, dia 19).

A CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES TEMPORÁRIOS COMO POLITICA DE ESTADO
        
Este concurso, realizado no início do presente ano, não serviu para suprir nem metade da carência existente nas escolas estaduais, prova desse fato foi a atitude do governo de já realizar nova seleção de monitores. A justificativa para o baixo número de vagas ofertadas no concurso seria justificada pela lei de responsabilidade fiscal. Porém esse mesma lei não impediu o governo de baixar os decretos 23.115/2012, 23.116/2012 e 23.117/2012, que isenta os usineiros do pagamento de impostos, onerando o estado em R$ 7 milhões por ano.

A forma encontrada pelo governador, o ex-secretário Adriano Soares e a atual secretária de educação, Josicleide Moura, para a melhoria da educação é sempre a contratação de monitores. O que não soluciona este grande problema. Os monitores são profissionais precarizados, com contratos de no máximo um ano, podendo ser renovado por mais um. Eles não possuem qualquer tipo de estabilidade nem tão pouco Plano de Cargos e Carreira, além de receberem o valor da hora aula muito abaixo dos efetivos, e com esses não recebendo o piso nacional.

Na quarta-feira (19) ocorreu uma reunião com caráter de assembleia, na sede do SINTEP (Sindicato dos Trabalhadores da Educação Privada), onde os aprovados da Educação se reuniram e encaminharam a necessidade de uma ação judicial no Ministério Público para impedir a realização dessa chamada de monitores e exigir a imediata convocação dos que foram aprovados.

TODO APOIO À MOBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES!

Por esses motivos, devemos nos somar a mais essa luta dos professores para que obtenham sua vaga garantida e sejam convocados. O PSTU defende a imediata convocação desses profissionais, pois sabemos que o quadro ainda é muito pequeno para suprir toda a carência no estado. Também defendemos a convocação por que é importante que os professores se mobilizem contra possíveis manobras da SEE, que infelizmente existem em nosso estado, como professores concursados dando aulas como monitores, em um regime de extrema precarização.

Por outro lado, continuamos a defender todas as reivindicações dos monitores, em defesa de garantias trabalhistas, como direito a férias, e a estabilidade no emprego, contra os possíveis abusos e mandonismos das direções de escola e perseguições por lutarem por direitos básicos previstos no serviço público.

PELA CONVOCAÇÃO IMEDIATA DOS APROVADOS ATÉ O DIA 4 DE ABRIL!

PELA GARANTIA DE QUE OS MONITORES NÃO SOFRAM QUALQUER TIPO DE PERSEGUIÇÃO POLÍTICA!

QUE O SINTEAL TOME POSIÇÕES MAIS ENÉRGICAS PARA QUE OS APROVADOS SEJAM CONVOCADOS!

Nenhum comentário:

Postar um comentário