Cinco motivos para a juventude de Maceió se somar à Marcha da Maconha

Wibsson Ribeiro - Juventude do PSTU

No próximo domingo, dia 18/05, vai acontecer a Marcha da Maconha na cidade de Maceió. Partindo do Alagoinhas em direção ao posto 7, a marcha promete ser um grito antiproibicionista em nossa cidade. Porém, muitos criticam a Marcha e acreditam que esta é uma manifestação pouco importante, ou mesmo se colocam contra o debate da descriminalização da maconha. Abaixo, apontamos cinco motivos que julgamos legítimos para participar da Marcha da Maconha e acreditamos que devam ser abraçados por toda a juventude.
 
1 - A descriminalização da Maconha seria um forte elemento no combate ao genocídio da juventude negra
 
Hoje acontece um verdadeiro genocídio da juventude negra. Nas periferias de nosso país, os jovens negros são os que mais morrem por arma de fogo, seja pelas mãos do tráfico ou da polícia militar, ou mesmo na guerra interna que acontece na periferia entre diversas facções rivais.
 
Um elemento disto é a criminalização da pobreza que impera em nosso país, aliada à criminalização da maconha. A criminalização da maconha está diretamente relacionada à criminalização da juventude negra. Lutar pela descriminalização da maconha é também lutar contra o racismo, contra a criminalização da juventude e cultura da periferia e contra a violência com que são tratados os usuários em nosso país, considerados não como uma questão social e sim como caso de polícia.
 
2 - A descriminalização da maconha significaria um ataque ao tráfico
 
O tráfico é um dos 3 mercados mais lucrativos do capitalismo, junto com a prostituição e a venda de armamentos. Retirar este mercado altamente lucrativo do controle do tráfico e colocá-lo sob o controle do Estado implicaria em desferir um forte ataque contra a violência em nosso país e o crime. Como um mercado extremamente lucrativo, falamos em atacar a violência e o crime não em seus intermediários, os traficantes que moram nas favelas e comunidades, mas sim os verdadeiros responsáveis, os ricos banqueiros e empresários que lucram milhões com o comércio das drogas.
 
3 - A descriminalização da maconha e demais drogas implicaria em tratar os usuários como uma questão social de saúde pública, e não caso de polícia
 
Os usuários devem ser tratados como uma questão de saúde pública. Legalizando as drogas seria possível, através do controle do Estado, regular as substâncias, tratar os dependentes químicos através de postos de saúde pública específicos para o tratamento de usuários. Declarar guerra as drogas e criminalizar os usuários se mostrou um fracasso. É necessário elaborar políticas públicas que caminhem para outro sentido.
 
4 - Descriminalizar significa ter a possibilidade do uso da maconha para fins medicinais
 
Recentemente o Estado brasileiro autorizou o uso de cannabis sativa no tratamento de uma criança com epilepsia. Diversos estudos apontam a possibilidade da maconha ser utilizada no tratamento de câncer e outras doenças. Diversos estados norte-americanos já aprovaram a legalização para uso medicinal. Descriminalizar implicaria na possibilidade do uso da maconha para fins medicinais.
 
5 - A possibilidade do Estado aplicar a verba proveniente do consumo das drogas em áreas sociais
 
Regulamentado pelo Estado, o uso da maconha poderia significar uma forte arrecadação para o Estado. Este dinheiro poderia ser investido em saúde e educação pública de qualidade. Hoje a maconha é um mercado extremamente lucrativo para o tráfico. Nas mãos do Estado, pode servir para aumentar o investimento em áreas sociais.
 
Mais do que regulamentar o direito individual do uso das drogas, a juventude do PSTU chama todos e todas a se somar a marcha porque a luta antiproibicionista envolve combater a violência, o racismo, o descaso com os serviços públicos, a criminalização da pobreza e o tráfico! Todos e Todas à Marcha da Maconha!

 

2 comentários:

  1. ??????????????????????????????????????????????????? sinceramente e sem nenhum partidarismo, sugiro que se faça ou se indique (se já existe feito) argumentos mais sólidos para que os leitores e simpatizantes possam ter um painel mais complexo do que foi apresentado. Gostaria muito de ter mais ideias do que simplesmente considerar a associação entre legalização da maconha e fim do tráfico como algo indissociável.

    ResponderExcluir
  2. Olá! O PSTU debate nacionalmente esta questão.
    Veja alguns dos nossos textos sobre o assunto: http://pstu.org.br/node/15897
    http://www.pstu.org.br/node/16534

    ResponderExcluir