Um playboy no Palácio de Vidro: Renan Filho a nova velha cara da oligarquias alagoanas

por Hitallo Viana

Transcorridos 10 meses do governo Renan Filho (PMDB), em aliança com os setores da oligarquia alagoana, principalmente os usineiros, mas também com PT de Paulão e Dilma Rousseff, notamos que a única coisa que mudou foi o amento do custo de vida.


Dilma e Renan Filho: a sinfonia de ataques aos trabalhadores

A seleção brasileira perdeu de goleada na copa do mundo, agora somos nós, os trabalhadores, que sofremos uma goleada de ataques aos nossos direitos. O congresso nacional vota pautas que nos atingem diretamente, PL 4330 e a redução da maioridade penal por exemplo, e o governo Dilma, diante da crise, joga a conta em nossas costas com corte de verbas sociais e retirada de direitos. 

O governo Dilma ataca os trabalhadores para garantir os lucros dos empresários: aumenta tarifas de água e luz, aumento do preço dos alimentos, aumento da taxa de juros tornando o crédito inacessível, restrições ao seguro-desemprego e PIS, cortes no orçamento e avanço das privatizações (como a venda dos ativos da Petrobrás). Estas medidas são parte do ajuste fiscal que o PT e a oposição de direita (PSDB e DEM) estão impondo aos trabalhadores e ao povo. Em contrapartida o lucro dos bancos aumenta, só nos primeiros três meses o Bradesco que indicou Joaquim Levy para Ministro da Fazenda teve lucro de R$ 4,2 bilhões.

Nos passos do governo federal, Renan Filho impõe um ataque em versão alagoana. Os servidores públicos estaduais sofrem forte arroxo salarial, mantem o veto ao programa de distribuição da sopa, não convocou os professores do cadastro de reserva mantendo a educação em situação precária, fecha os olhos para o caos na saúde pública e se coloca favorável a privatização da CASAL. Estas são algumas das maldades perpetradas pelo governo Renan Filho.

Desemprego cresce



Alagoas registrou uma alta do Fundo de Participação dos Estados (FPE), foram quase RS 110 milhões de reais nos primeiros meses, ou seja, existe aumento de receita o que pode leva ao aumento salarial dos servidores públicos, mas o governo adota a linha de maldade com os trabalhadores. O resultado desta política é a maior taxa de desemprego do país, são 11,1% segundo o IBGE. Sendo os setores sucroalcooleiro e da construção civil os que mais demitiram. O crescimento da receita tem que ser usado para os servidores e em benefício dos mais pobres (programas sociais), só desta forma se combaterá o desemprego e a miséria alagoana.

Tiro, porrada e bomba



Mas a Polícia Militar recebe agrados de Renan Filho. Com o objetivo de reprimir as revoltas contra a carestia da vida e a miséria alagoana, a repressão é a aposta para os trabalhadores e o povo pobre. Foi desta forma que os alunos do Cepa foram atacados quando protestavam contra o fim do transporte escolar. Repressão como resposta aos problemas não é solução, ao contrário, mantém a miséria e aumentar as mortes. 

É possível vencer: construir nas lutas uma Alagoas para os trabalhadores

É preciso enfrentar as medidas de ataques dos governos Dilma e Renan Filho. Para tanto, é preciso construir unidade para lutar contra os ataques. Mas para isso não podemos ter nenhuma ligação com a direita e nenhuma aproximação com os setores ligados a monocultura e o latifúndio.

Para nossas lutas precisamos nos unir num campo de classe, dos trabalhadores e povo pobre, em base de um programa que ataque os interesses dos ricos e poderosos do Estado, unificando os trabalhadores da cidade e do campo na busca de melhores condições de vida para a população. Um campo que se delimite e lute contra todas as alternativas de direita existentes e também contra a traição do PT.




Nenhum comentário:

Postar um comentário